A verdadeira história por trás de Pablo Escobar e ‘Narcos’

A verdadeira história por trás de Pablo Escobar e ‘Narcos’

Leva apenas uma olhada nos créditos de abertura para Narcos perceber que, embora a nova série da Netflix apresente um jovem elenco de atores promissores, as verdadeiras estrelas do show são as lendas do chefão da cocaína Pablo Escobar e dois agentes da DEA que ajudaram a derrubá-lo, Steve Murphy e Javier Pena.

Após a criação e eventual triunfo do Bloco de Busca, uma força-tarefa criada em 1992 pelo presidente colombiano César Gaviria para caçar o aparentemente invencível traficante de drogas, Narcos é uma lição de história tanto quanto um drama de TV. O programa apresenta regularmente imagens e fotos de arquivo autênticas da época, incluindo noticiários, discursos públicos de Ronald Reagan e até mesmo o raro clipe do próprio Escobar.

RELACIONADOS: The Real Life Sons of Anarchy

Leia o artigo

Mas foram Murphy e Pena, que eram consultores em série, que se mostraram o maior recurso de todos. Os dois agentes da DEA agora aposentados estavam no terreno durante o reinado brutal de Escobar como chefe do cartel de Medellín, quando ele usou seu fluxo ilimitado de dinheiro para pagar pela execução de informantes, policiais e até mesmo juízes. Os pontos da trama do programa são frequentemente retirados das páginas de suas vidas em uma batalha do bem contra o mal que parece muito selvagem para ser verdade.

Fiquei chocado com o fato de alguém querer assistir a um programa sobre um caso de duas décadas em que o vilão está morto agora, diz Murphy em seu sotaque sulista, enquanto seu ex-parceiro Pena ri. Mas durante uma conversa com os dois, fica claro que a história deles tem os ingredientes de uma televisão fascinante: violência, ganância e corrupção política. Melhor ainda, é uma história em que os mocinhos ganham. Nenhum alerta de spoiler necessário, o final está nos livros didáticos.

Quando você voltou da Colômbia pela primeira vez, ficou surpreso com a atenção que sua história recebeu e com o fato de que as pessoas ainda estão interessadas?

Javier Pena: Em sua essência, é uma lição de história e provou ser útil. O México está empregando as mesmas técnicas que usamos para derrubar Escobar em sua perseguição a El Chapo.

Steve Murphy: Quando voltamos da Colômbia pela primeira vez em 1994, foi quando eles começaram a fazer alguns documentários. Linha de frente fiz um primeiro. Na minha vida pessoal, nunca falei sobre isso. Teria apenas sentido como se gabar. Mudei-me para alguns novos escritórios da polícia e eventualmente as pessoas descobririam que você estava envolvido no caso e haveria muitas perguntas. Para ser honesto, estávamos apenas fazendo nosso trabalho e tentando nos divertir. Ambos gostávamos do que estávamos fazendo e tivemos a oportunidade de enfrentar o maior distribuidor de entorpecentes da época. E finalmente vencemos.

mj-390_294_kingpin-jon-roberts

RELACIONADOS: Rei Jon Roberts: o homem dos EUA do Cartel de Medellín

Leia o artigo

JP: Assim como Steve disse, nunca pensei que o que estávamos passando chamaria tanta atenção, mas sabíamos que era sério. Foi difícil. Havia pessoas sendo mortas ao nosso redor: policiais. O que o show faz é ajudar a manter a história viva para que as pessoas possam evitar que aconteça novamente.

Eles colocaram você no set durante as filmagens do show?

SM: Não estávamos no set na maior parte do tempo. Voamos para a Califórnia para trabalhar com os escritores. Depois disso, passamos horas e horas no telefone e no e-mail respondendo perguntas e preenchendo lacunas. Javier desceu logo antes de começarem a filmar com o diretor e os produtores para mostrar a eles algumas das locações. Em março passado, minha esposa e nossas duas filhas morreram no último mês de filmagem.

JP: Eu não estava lá por muito tempo antes da viagem e muitas coisas mudaram. Mostrei a eles onde morávamos, na Escola de Polícia Carlos Holguin. Eu mostrei a eles a prisão ... bem, o que restou dela. [risos] Eles destruíram a maior parte. Eu gostaria que eles o tivessem mantido como um museu, mas acho que era apenas uma lembrança de um período ruim em sua história. Não tenho certeza exatamente. Nunca recebi uma resposta. Eu os levei para onde Escobar morava; eles foram sozinhos ao rancho dele, que ouvi dizer que agora é uma espécie de museu.

O que você achou da opinião de Wagner Moura sobre Pablo? Como ela se compara à coisa real?

JP: Conheci o Wagner lá na Colômbia e visitamos Medellín juntos. Tentei dizer-lhe tudo o que pude sobre quem era Escobar, que ele era um maníaco egoísta e sedento por poder. Eu disse a ele que enquanto Escobar estava criando este personagem Robin Hood para apresentar ao povo, ele era um homem verdadeiramente violento que mataria qualquer um em seu caminho. Wagner matriculou-se em uma aula de espanhol porque o sotaque de Medellín é muito perceptível, a maneira como falam. É diferente do sotaque que vem de Bogotá.

SM: Wagner e eu trocamos e-mails pela primeira vez apenas alguns dias atrás, e eu disse, acho que você realmente capturou seu ego e sua atitude espertinha.

mj-390_294_10-formerly-perigoso-destinos

RELACIONADOS: 10 destinos anteriormente perigosos que vale a pena visitar

Leia o artigo

No primeiro episódio, vemos Escobar colocar uma recompensa de meio milhão de dólares por suas cabeças, o que realmente aconteceu. Você pode explicar o que foi enfrentar um homem assim?

JP: Ele era assustador. Ele tinha essa aura de Robin Hood ao seu redor, fornecendo dinheiro para as igrejas e escolas. Quando ele declarou guerra à Colômbia, você aprendeu como ele era poderoso e violento. Mas quando começamos a trabalhar com Escobar, parecia apenas mais um caso que se tornou cada vez mais fantástico. Os assassinatos. Os bilhões. Lembro-me de dizer: Isso não pode estar acontecendo. Mas era. Não acho que Hollywood seria capaz de inventar o tipo de trama que ele inventou se tentassem. O que gostamos de dizer, porém, é que não éramos os heróis dessa história, nem da CIA, mas da Polícia Nacional da Colômbia.

SM: Quando comecei a trabalhar nele, eu sabia que era ele quem enviava a maior parte da cocaína para Miami e para os mercados europeus. Quanto mais atentávamos, mais se revelava que ele tinha uma organização de outros traficantes que ele controlava. Eles não são o tipo de pessoa que você manda por aí, então sabíamos que ele devia ter algo para ter esse tipo de habilidade. Você aprende que ele conseguiu matar qualquer um que o contrariou. Ele era rico. Ele era perigoso. E ele não tinha medo de usar a violência para conseguir o que queria.

Você tem amigos ou familiares que estão entrando em contato agora e estão chocados com o que vocês passaram por aí?

SM: Mesmo quando apenas o trailer foi lançado, recebi algumas ligações: Por que você não disse nada sobre isso? Não é exatamente o tipo de coisa que você simplesmente menciona enquanto está no churrasco.

Wagner Moura como o chefão colombiano Pablo Escobar em ‘Narcos’.

Como você treinou as estrelas do show Boyd Holbrook e Pedro Pascal sobre as práticas da DEA?

SM: Javier e eu pensamos que seria bom trazê-los para a DEA Academy em Washington, então eles passaram uma semana treinando com os caras de verdade. Eles se saíram muito bem. Eles passaram cerca de meio dia no campo e levaram muito a sério. Eles aprenderam como conduzir paradas criminosas no trânsito, aprenderam como prender alguém. Eles até fizeram role-playing para operações secretas. Nós até os enviamos para um cenário de treinamento onde eles teriam que comprar metanfetamina. Um seguiu as instruções e sobreviveu, o outro estragou as instruções e foi morto no negócio.

RELACIONADOS: John McAfee: The Prophet of Paranoia

Quem foi morto? Você pode derramar?

SM: Eu não vou te dizer. Eu vou deixar você descobrir.

Desde que esses eventos ocorreram, nos anos 90, ocorreram muitas mudanças na Colômbia. Agora é um destino turístico em crescimento. Vocês dois fizeram viagens recentes, como foi sua experiência?

JP: Isso mudou. Mudou para melhor. Voltei com a equipe para mostrar a eles os pontos turísticos. É noite e dia. É seguro agora e muito turístico. Lembro-me de quando estava trabalhando lá, crianças não eram permitidas e tínhamos que dirigir em comboios. A Colômbia agora é vista como um país modelo por seus esforços de policiamento.

SM: Eu concordo 100 por cento. Fazia uma década que eu não voltava e isso mudou incrivelmente. Você espera ver guardas armados em todos os lugares, jipes com metralhadoras e enormes comboios. Mas não é mais assim, e o aeroporto é lindo e moderno. Os restaurantes são fantásticos. Ficamos confortáveis ​​andando pela cidade, e as pessoas entendem perfeitamente. Minha esposa disse que voltaria lá em um piscar de olhos.

Embora não vivam na mesma cidade, Steve Murphy e Javier Pena ainda se comunicam regularmente e viajam pelo país dando seminários sobre sua experiência como parte do Gabinete Nacional de Oradores para a Aplicação da Lei.

Para ter acesso a vídeos de equipamentos exclusivos, entrevistas com celebridades e muito mais, inscreva-se no YouTube!